Atividades realizadas 2017

O CIDAC aderiu à Campanha “Empregos para o Clima”
 
24 outubro 2017. O CIDAC aderiu à Campanha Empregos para o Clima, uma campanha internacional iniciada em Portugal em 2015 e que conta com o apoio de várias organizações da sociedade civil. Mais do que uma campanha de lobi, pretende constituir-se como um movimento de bases pela justiça social e climática, ou seja, ir mobilizando e in/formando pessoas e grupos que se possam envolver em ações locais. O objetivo concreto da campanha é a criação de postos de trabalho digno, no setor público, em campos estratégicos que permitam a transformação da matriz energética do país (produção de energia, agricultura, florestas) num arco temporal de 20 anos.
O CIDAC adere a esta campanha enquanto instrumento de repensamento e de proposição de outros paradigmas energéticos e de utilização dos recursos naturais, por um lado, e da relevância da luta por um Estado Social, por outro.
Se quiser saber mais ou envolver-se na campanha, poderá dirigir-se à nossa loja, onde irá encontrar materiais, ou entrar em contacto connosco através do mail e telefone.
 
3.ª Conferência das ONG - Renovar o compromisso com a Guiné-Bissau

De 18 a 20 de Outubro decorreu a 3.ª conferencia das ONG ativas na Guiné-Bissau, uma iniciativa da Casa dos Direitos, que contou com a participação de cerca de 80 ONG nacionais e internacionais e na qual o CIDAC teve a oportunidade de participar ativamente.
Durante os 3 dias de trabalhos foram debatidos os temas da relação entre ONG nacionais e internacionais, a relação das ONG com o Estado e com as entidades da Cooperação Internacional. Foi ainda definida uma agenda comum, sintetizada no "Manifesto das ONGs da Guiné-Bissau" que pode consultar aqui.
O CIDAC contribuiu com uma comunicação centrada na temática do relacionamento entre ONG nacionais e internacionais, focando a necessidade de reforçar laços baseados em princípios de solidariedade e de longo prazo, contrariando as lógicas instrumentais de poder e de mercado que cada vez mais presidem aos estabelecimento de relações entre organizações.

Estágios interligados

Setembro, 25, 2017. Stembro marcou o início de dois estágios curriculares que, tendo origens completamente diferentes, se interligaram de forma particularmente interessante.
Anualmente temos recebido 2 ou 3 estudantes para a realização de estágios de curta duração, inseridos na sua formação académica. Este compromisso regular, que pode ou não passar por relações protocoladas entre o CIDAC e os estabelecimentos de ensino, acontece algumas vezes por iniciativa dos próprios estudantes que nos contactam diretamente.
Neste segundo semestre de 2017 acolhemos a Clémence e a Ana. A primeira, de nacionalidade francesa e estudante de mestrado na área do Desenvolvimento e da Cooperação Internacional, e a segunda, estudante do ensino secundário em França, na área da Administração. As duas à procura de uma experiência profissional para reforçar as aprendizagens teóricas do ensino formal.
Para além do país de origem, o estágio no CIDAC acabou por estabelecer entre as duas jovens uma outra ligação: a Clémence veio colaborar num conjunto de atividades ligadas ao projeto JACE (acrónimo em francês para “Jovens Embaixadores do Comércio Justo”) do qual a Ana faz parte enquanto aluna do liceu Bel Orme, um dos 6 parceiros envolvidos no projeto. Para a Ana, que vinha trabalhar especificamente aspetos de administração de uma Loja de Comércio Justo, houve ainda oportunidade, mesmo que principalmente em contexto informal, de se aproximar da gestão do projeto do lado português.
A curta duração destes estágios (neste caso concreto de 6 e 1 mês respetivamente, e nesse sentido muito diferentes entre eles) geram dúvidas sobre que impacto podem ter para as duas partes envolvidas. Procuramos assumi-los, acima de tudo, como uma contribuição do CIDAC para a formação das/os muitas/os jovens que por aqui têm passado. Se resulta de forma positiva ou não, só eles/as, dentro de alguns anos, o poderão dizer.


Encontro Formativo do Grupo de Educación para el Desarrollo da CONGDEX. Relações e Ferramentas para uma Educação Emancipadora

Setembro, 5-6, 2017.  O Grupo de Educación para el Desarrollo da CONGDEX – Coordenadora Extremeña de Organizaciones No Gubernamentales para el Desarrollo promoveu um encontro formativo de dois dias, em Coria (Cáceres). A Plataforma portuguesa de ONGDs foi convidada a participar, juntamente com os grupos de Educação para o Desenvolvimento (ED) das regiões da Galiza e da Andaluzia. O CIDAC integrou o grupo de ONGDs portuguesas que participaram no encontro.
Este encontro formativo faz parte de um percurso de reflexão, formação e experimentação sobre temas e abordagens ED iniciado pelo Grupo de ED da CONGDEX em 2014. Em 2017, decidiram ir além da perspectiva da ED/ECG e discutir outras abordagens como a educação transformadora e a educação emancipadora.
Com o tema ““Si quieres un cambio verdadero, baila distinto” - Mejorando en las relaciones y herramientas didácticas para una Educación Emancipadora” o encontro foi dinamizado por duas cooperativas de educação (La Espiral Educativa e o Colectivo CALA) que propuseram um percurso de auto-descoberta de questionamentos e metodologias de educação transformadora e emancipadora.
A reflexão centrou-se nas possibilidades de transformação em quatro espaços educativos: a família, a escola, “la calle” (os espaços informais, a mobilização nas ruas) e os coletivos; na necessidade de discutir o sistema educativo quando se trabalha a ED em educação formal; na necessidade e nas implicações de se reconhecer os seres humanos enquanto sujeitos políticos em percursos de educação transformadora; e em metodologias de educação emancipadora.
O encontro foi ainda um espaço de conhecimento de outras organizações e coletivos e de partilha de experiências e pontos de situação sobre as reflexões concetuais em torno da ED/ECG. Uma dessas experiências diz respeito ao processo iniciado pelas ONGDs, a nível do Estado Espanhol – o Quórum Global - de procurar dialogar e construir um processo conjunto com os movimentos sociais, a partir da constatação das ONGDS espanholas de que se estavam a afastar das mobilizações de rua e de outros grupos e lutas políticas.
Preparação, em Braga, da disciplina de Educação para a Cidadania Global

Julho, 18-19, 2017.
O Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, em Braga, iniciou o ano letivo passado a disciplina de Educação para a Cidadania Global, disponibilizada aos alunos e alunas dos 5º, 6º e 7º anos. Em 2017/2018 a disciplina abarcará também o 8º ano.
Para preparar esta nova experiência, o grupo coordenador da disciplina reuniu-se numa ação formativa com membros das equipas do CIDAC e da Fundação Gonçalo da Silveira (FGS) durante 2 dias. Com base nas aprendizagens realizadas durante o ano terminado, planeou-se o futuro, quer do ponto de vista das temáticas, como das abordagens metodológicas. Foram identificados objetivos específicos a atingir com os e as alunos/as, entre os professores/as e com as famílias e comunidades envolventes. O 5º ano trabalhará sobre o consumo responsável e o Comércio Justo, e os anos seguintes sobre as migrações e a justiça social.


XII Encontro nacional de Educação para a Cidadania Global

Julho, 8, 2017. A Rede de Educação para a Cidadania Global, da qual o CIDAC participa ativamente desde a sua criação, organizou, na Escola Superior de Educação de Lisboa, mais um Encontro anual, desta vez dedicado às “Contradições do mundo contemporâneo: reflexões e práticas em ECG”, que congregou 101 participantes.
De manhã e à tarde as pessoas trabalharam em grupos, em ambos os casos dedicados à reflexão e conhecimento de práticas concretas sobre as seguintes questões: a crise das democracias, informação e desinformação, governação e alternativas, sociedades multiculturais e vivência da diversidade, a situação do trabalho hoje e no futuro, alimentação e justiça social, igualdade de género. Tiveram também a oportunidade de ouvir o educador espanhol César Muñoz partilhar as suas propostas sobre “A pedagogia da vida quotidiana e a conjuntura mundial de criação do "novo": educação, participação cidadã e democracia participativa no séc. XXI”.
Para informação adicional e, em breve, a memória do Encontro, podem visitar o sitio da Rede ECG.


Ciclo de atividades com EspaNica

Maio, 20-23, 2017. Dando continuidade ao ciclo de iniciativas que iniciámos em 2016 com produtores e produtoras de Comércio Justo, este ano convidámos a Cooperativa EspaNica a vir a Portugal partilhar as suas experiências, pelo que acolhemos no CIDAC dois representantes daquela cooperativa: Julio César Muñoz e Juan José Anaya.
Júlio César Munõz, nicaraguense, é co-fundador da cooperativa EspaNica com uma vastíssima experiência na área da produção de café e em diversos organismos ligados ao sector - Federação Nacional de Trabalhadores de Café; Corporação de Café da Nicarágua (CAFENIC), Comissão Nacional de Café, União Nacional Agropecuária de Produtores Associados (UNAPA), Junta Diretiva do Banco de Campo e MAONIC - Movimento Agroecológico e Orgânico da Nicarágua.
Juan José Anaya, espanhol, é sócio-trabalhador da Cooperativa desde junho de 2009, responsável pelas importações e pela área de comercialização e sensibilização da EspaNica, assim como responsável pelas relações com os produtores.

20 de maio - Contando com o apoio da Cooperativa Minga organizámos um encontro no Mercado Municipal de Montemor-o-Novo com o objetivo de apresentar a EspaNica, o seu modo de funcionamento, de organização, os fundamentos e o papel  do Comércio Justo, bem com a importância da agroecologia e da preservação do ambiente na Nicarágua. Foi um encontro muito participado, que congregou cerca de 30 pessoas e gerou uma diversidade de questões no final das apresentações, desde "Como é que se forma o preço do café"? até "Quantas famílias produtoras fazem parte da cooperativa?", entre outras.

22 de maio - A segunda atividade com os dois representantes da EspaNica decorreu em Lisboa e foi uma conferência realizada na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, organizada com o apoio da professora Ana Firmino, docente nesta instituição universitária. Os objetivos da sessão foram os mesmos da sessão anterior mas adaptados à audiência académica, que contou com 16 participantes.

23 de maio - Sessão de sensibilização na Escola Secundária José Gomes Ferreira:
como vem sendo habitual, os e as alunos/as que fazem parte do projeto europeu Jovens Embaixadores de Comércio Justo receberam a EspaNica  para uma sessão de formação e sensibilização que juntou 13 estudantes e 3 docentes, gerando-se um bom debate entre as/os jovens e os convidados.

Aula do curso de Pós-Graduação em Crise e Ação Humanitária do ISCSP

Maio, 11, 2017. O CIDAC esteve presente no ISCSP - Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas – numa aula aberta no âmbito da cadeira de seminário do curso de pós-graduação "Crise e Ação Humanitária" com uma intervenção sobre "O papel do Comércio Justo na promoção e consolidação da Paz".
Na sessão, aprofundámos dois estudos de caso: as cooperativas de café na região de Kivu, na República Democrática do Congo e a organização Sindyanna of Galilei, uma parceria Irsaelo-Palestiniana para a promoção do Comércio Justo e da Paz entre os povos destes dois países.
A aula aberta contou ainda com a presença da Cruz Vermelha Portuguesa que apresentou três casos práticos de intervenção humanitária na história recente da organização.

Conferência "Como consumir sustentavel em Portugal?"

Abril, 29, 2017. O CIDAC esteve presente na Fashion Revolution Week no âmbito da conferência "Como consumir sustentavel em Portugal?" organizada no Mercado de Arroios pela Fashion Revolution Portugal. O objetivo da conferência era apresentar e debater os atuais padrões de consumo, as alternativas aos mesmos e as novas tendências.
Tivemos oportunidade de divulgar o nosso trabalho na área do Comércio Justo, bem como apresentar o projeto de Educação para o Desenvolvimento JACE - Jovens Embaixadores do Comércio Justo.
Além do CIDAC estiveram presentes a Fair Bazaar - Plataforma de informação sobre produção de têxtéis, a Plataforma por um consumo informado, a Rehabbed Market - mercado para promoção de marcas sustentáveis, a Artes&Manhas Portuguesas - projeto de promoção de produtos portugueses no mercado de Arroios e o Slow Re Purpose - projeto para reaproveitamento de roupas usadas.

36ª Mesa Redonda do GENE

Abril, 27-29, 2017. Reuniram-se em Bruxelas representantes de 22 países europeus que têm atividades na área da Educação Global / Educação para o Desenvolvimento, dos quais 12 participaram com delegações que cobriam os setores dos Negócios Estrangeiros (Ministérios ou Agências) e da Educação (Ministérios ou Conselhos Nacionais de Educação). Portugal esteve representado pelo Camões – Instituto Português da Cooperação e da Língua, pela Direção Geral da Educação e pelo CIDAC.
Para além da partilha e discussão do que de mais relevante aconteceu em cada um dos países e na União Europeia, nesta área, nos últimos meses, e da informação e decisão sobre matérias relacionadas com o programa de ação do GENE em 2017, destacaram-se dois momentos: o lançamento do relatório de peer review sobre a Bélgica realizado por uma equipa constituída pelo GENE para o efeito; e um painel de apresentação de 3 experiências diferentes (Bélgica, Irlanda e Portugal) de processos de relacionamento entre diferentes atores no quadro da EG/ED. Neste caso, a investigadora Cecília Fonseca teve a oportunidade de dar a conhecer o que é a Sistematização de Experiências, evocando duas ações já realizadas, uma no âmbito da construção da Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2009) e outra mais recente, no âmbito do projeto Sinergias ED (2016).

II Encontro Sinergias ED

Abril, 26, 2017. Realizou-se novamente em Lisboa (no outono será no Porto) mais um Encontro entre Organizações da Sociedade Civil (OSC) e Instituições do Ensino Superior (IES), neste caso reunindo 22 pessoas de 10 IES e 9 OSC, no âmbito do projeto Sinergias ED: Fortalecer a ligação entre investigação e ação na ED em Portugal, promovido conjuntamente pelo Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto (CEAUP), pelo CIDAC e pela Fundação Gonçalo da Silveira (FGS).
Os objetivos do Encontro eram partilhar o ponto da situação dos trabalhos colaborativos na área da ED em curso entre IES e OSC e proporcionar um espaço de trabalho conjunto para os grupos colaborativos já formados ou em vias de formação; e aprofundar as dimensões de Educação para o Desenvolvimento e metodológica destes trabalhos colaborativos. Sempre “em diálogo” com o tempo disponível, foi o que ocorreu, de modo mais ou menos conseguido.
Uma parte da reflexão feita teve como ponto de partida as aprendizagens coletivamente identificadas durante o processo de Sistematização de Experiências (SE) que teve lugar no último trimestre de 2016. Um segundo processo de SE está previsto para o final do projeto, no início de 2018.
Durante o Encontro foi partilhado o documento de posicionamento do grupo de investigação em Educação, Desenvolvimento e Cidadania Global do CEAUP sobre o papel da Educação para o Desenvolvimento e para a Cidadania Global, que agora está disponível no sítio do projeto Sinergias ED aqui.

Colaboração com a Junta de Freguesia dos Olivais

Março, 28, 2017. No âmbito do concurso Loja + Sustentável  promovido pela junta de freguesia dos Olivais, o CIDAC foi convidado a dinamizar uma sessão de Comércio Justo com o objetivo de sensibilizar os comerciantes dos mercados da freguesia para outras economias, mais justas e sustentáveis. Na sessão estiveram presentes 10 pessoas que participaram muito ativamente, com dúvidas e partilha de opiniões.

Timor Leste: ciclo de debates sobre o papel das OSC

Fevereiro, 28, 2017. O FONGTIL organizou em Dili o terceiro debate público da série em que temos vindo a trabalhar em conjunto, dedicada ao questionamento do papel da sociedade civil. Foram escolhidos 2 temas: uma sistematização crítica do caminho percorrido pelas organizações da sociedade civil (OSC) na Indonésia, apresentada por Methodius Kusumahadi da Fundação Satunama, e uma análise da contribuição das organizações de mulheres para o desenvolvimento nacional em Timor Leste, apresentada por Laura Abrantes da APCTL (Asia Pacific Support Colective Timor-Leste).
Apesar de muito diferentes entre si, ambas as intervenções contribuíram para um debate animado em torno de objetivos e resultados das OSC, procurando estabelecer pontes entre a intervenção de curto prazo e a construção de uma sociedade diferente.
A propósito da realidade de Timor, dizia-se a certa altura que "existem organizações de mulheres relevantes mas não existe um movimento feminista". Para saber os pormenores vai ser preciso aguardar pelas atas destas conversas.
 
11º Encontro de trabalho da Rede ECG

Fevereiro, 4, 2017. A  Rede de Educação para a Cidadania Global reuniu desta vez no Porto. Neste primeiro Encontro do ano os objetivos passaram por partilhar experiências concretas realizadas durante o 1º período letivo, por reforçar a organização interna e por iniciar a preparação do XII Encontro nacional de ECG, marcado para 8 de julho de 2017.
A propósito da partilha de experiências, que desta vez implicou membros da Rede que desenvolveram atividades em Braga, Mafra, Lisboa, Calheta e Funchal (Madeira) e em Madrid, deu-se continuidade ao debate sobre como melhor o fazer, sobretudo à distância. Houve opiniões diversas e no fim sistematizaram-se questões que merecem maior reflexão e respostas elaboradas conjuntamente nos tempos mais próximos.
Os Grupos de Trabalho deste ano estão a arrancar, em particular aquele que se encarrega de preparar todos os aspetos – desde os conteúdos à logística – do XII Encontro nacional de ECG, que terá lugar em Lisboa. Mais informação no sítio da Rede ECG.

Lançamento oficial do Referencial de ED

Fevereiro, 16, 2017. Numa cerimónia que decorreu na Escola Secundária José Gomes Ferreira (em Lisboa, Agrupamento de Escolas de Benfica), o Secretário de Estado da Educação, a Presidente do Camões – Instituto da Cooperação e da Língua e as Presidentes do CIDAC e da Fundação Gonçalo da Silveira juntaram-se a membros das suas instituições e a muitos docentes vindos de vários pontos do país para lançar oficialmente o Referencial de ED – Educação Pré-escolar, Ensino Básico e Ensino Secundário.
O grupo de alunos/as que participam no projeto “Jovens Embaixadores do Comércio Justo” também prepararam uma apresentação do que têm feito e do que têm aprendido, que partilharam com os e as presentes, em conjunto com a professora coordenadora do projeto. No final, todos foram convidados a visitar a loja de Comércio Justo da Escola. Foi a possibilidade de articular a proposta educativa, contida no Referencial de ED, e uma prática concreta neste campo, que levou à escolha desta Escola para realizar a sessão.
Os próximos passos serão dar vida ao Referencial, divulgando-o, experimentando as suas propostas e criando recursos educativos para o poder trabalhar com crianças e jovens.


Ação de formação sobre recursos educativos na área da ECG

Janeiro, 13-14, 2017. O CIDAC e a Fundação Gonçalo da Silveira promoveram uma ação de formação de 12 horas, em Lisboa, dedicada à criação, escolha, utilização e avaliação de recursos educativos  na área da Educação para a Cidadania Global, durante a qual foi também apresentado e discutido  um recurso em fase de elaboração sobre “O trabalho hoje e no futuro”.
As duas ONGD, que trabalham em conjunto nesta área há vários anos, estão a aprofundar a questão dos recursos educativos: por um lado, promovendo uma reflexão sobre como os criar, escolher, utilizar e avaliar na prática; por outro, abrindo uma linha de elaboração de recursos online sobre temas de atualidade. Neste último campo, a primeira experiência, que foi apresentada e discutida com os/as participantes desta oficina, com o propósito de recolher os seus comentários e recomendações, associando-os assim à fase final de criação do recurso, destina-se a jovens a partir dos 15 anos. O tema é o trabalho – no presente e no futuro – abordado a partir de dois ângulos específicos: trabalho e migrações e automatização do trabalho. Daremos notícia assim que o recurso estiver disponível.

Referencial de Educação para o Desenvolvimento

Janeiro, 11, 2017. Está disponível o Referencial de Educação para o Desenvolvimento - Educação Pré-Escolar, Ensino Básico e Ensino Secundário, elaborado pelo Ministério da Educação, através da Direção-Geral da Educação, em parceria com o Camões - Instituto da Cooperação e da Língua, o CIDAC e a Fundação Gonçalo da Silveira. O objetivo é enquadrar a intervenção pedagógica da Educação para o Desenvolvimento (ED), como dimensão da educação para a cidadania, promovendo o seu tratamento progressivo e transdisciplinar, desde a educação pré-escolar até ao ensino secundário.
O documento propõe como base de trabalho seis temas: desenvolvimento, interdependências e globalização, pobreza e desigualdades, justiça social, cidadania global e paz. Cada um destes temas integra vários subtemas e tem associados conhecimentos, capacidades, valores, atitudes e comportamentos. Embora se pretenda também, com a utilização do Referencial, contribuir para o conhecimento e implementação da ED no meio escolar, o documento, sendo de natureza flexível, não prescritiva, pode ser utilizado em diversos contextos, no seu todo ou em parte, sequencialmente ou não.

Oficina de formação em Educação para a Cidadania Global – Ensino Pré-Escolar e 1.º Ciclo

21 outubro 2017. O CIDAC e a Fundação Gonçalo da Silveira iniciaram em outubro uma Oficina de formação sobre Educação para a Cidadania Global (ECG) para educadores/as e docentes do Ensino Pré-Escolar e 1.º Ciclo. A formação tem como foco o Referencial de Educação para o Desenvolvimento, elaborado pela DGE em conjunto com as duas organizações, e está acreditada pelo Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua. É a primeira formação em ECG pensada para estes graus de ensino. Com quatro sessões, a oficina prolongar-se-à até ao último fim de semana de novembro. Assim que terminar daremos conta.



Encontro entre Organizações da Sociedade Civil e Institutos de Ensino Superior

2 e 20 outubro 2017. Este mês, o CIDAC esteve presente em dois momentos de encontro entre Organizações da Sociedade Civil e Institutos de Ensino Superior, no âmbito do projeto Sinergias ED. O primeiro realizou-se no dia 2 de outubro na Faculdade de Letras, da Universidade do Porto. Tratou-se do terceiro encontro do projeto, na sua segunda fase. Para além de um ponto de situação sobre os vários grupos colaborativos, discutiu-se o enquadramento conceptual e reflexivo dos trabalhos colaborativos bem como os instrumentos de registo dos mesmos. No final, as e os participantes contribuíram com ideias para os próximos passos do projeto, como a conferência final, a sistematização de experiências, o número 7 da revista Sinergias, entre outros.
A ação colaborativa que junta a Escola Superior de Educação de Lisboa, a Escola Superior de Educação de Bragança, o CIDAC e a ARIPESE (Associação de Reflexão e Intervenção na Política Educativa das Escolas Superiores de Educação), culminou no II Encontro das Escolas Superiores de Educação, dedicado ao tema da Educação para o Desenvolvimento nas ESEs. O encontro teve lugar em Bragança, no dia 20 de outubro e contou com a presença de sete ESEs e do CIDAC. Durante o dia foi apresentado o enquadramento legal-curricular atual da ED/ECG, foram apresentados os resultados de dois inquéritos sobre práticas e perceções de ED/ECG nas ESEs, a que se seguiram três grupos de discussão. Foram levantadas várias questões ao longo dos trabalhos: desde a necessidade de definir e balizar o que é a ED/ECG, para, a partir daí, se mapear e conhecer melhor o que já se faz neste âmbito dentro das ESEs. Esses passos são essenciais para se definirem linhas de ação futuras, não apenas no que tange à formação inicial de professores/as e educadores/as, mas também no que diz respeito ao próprio projeto de sociedade a que a educação cor/responde.
 
Novas abordagens e formas de intervenção social: espaços e metodologias

12 outubro 2017. Participámos este mês em mais um debate-reflexão realizado pelo Grupo de Trabalho de Educação para o Desenvolvimento (GTED) da PPONGDs, subordinado ao tema "Novas abordagens e formas de intervenção para a transformação social: espaços e metodologias". Desta feita, o debate contou com a presença do Antonio de La Fuente, do ITECO, da Isabel Rebelo, da cooperativa SEIES e do Filipe Martins, da Rede Inducar e do CEDH - U. Católica Porto, cujas intervenções procuraram contribuir para o processo de reflexão conceptual e metodológico sobre ED/ECG que o GTED iniciou este ano.
Este processo tem vindo a ser implementado ao longo do ano, com o GTED a promover um modelo de oficinas que combina momentos abertos ao público em geral, normalmente tirando partido das comunicações apresentadas por convidados externos à Plataforma, e momentos de trabalho interno e de construção partilhada entre as diferentes ONGD membros do Grupo.
Tem sido um espaço de reflexão muito interessante, realizado no quadro de uma grande diversidade de organizações, que procuram (re)encontrar as orientações fundamentais do trabalho que as une.

O CIDAC na “First European Summer School on Solidarity Economy. Is it possible to foster a common agenda for Solidarity Economy in Europe?”

Setembro, 4 a 8, 2017. O CIDAC participou neste evento dedicado ao estudo da Economia Solidária na Europa, organizado pelo Centro de Estudos Sociais (CES) e que teve lugar em Lisboa. 28 participantes de todo o Mundo  tiveram a oportunidade de contribuir com as suas experiências  para uma reflexão sobre um quadro teórico-prático para a Economia Solidária na Europa. Para além de participantes de Portugal, estiveram representantes do Japão, Estados Unidos da América, Brasil,  Argentina, Espanha, Grécia, Reino Unido, Itália, França, Finlândia, Holanda e Lituânia.
O CIDAC teve um duplo papel nesta formação através da participação de dois membros da equipa enquanto formandos e  enquanto caso de estudo e de debate de uma das iniciativas de Economia Solidária visitadas durante a semana. As restantes foram o RDA 69 e o Pendão em Movimento.
De entre o vasto programa de sessões de trabalho destacamos as intervenções de Jean-Louis Laville, teórico e investigador há várias décadas sobre a Economia Solidária que a enquadrou historicamente e trouxe o seu contributo a partir da experiência em França, onde recentemente foi reconhecido o enquadramento da Economia Solidária no sistema legal. Aline Mendonça (CES) e Rogério Roque Amaro (ISCTE) sublinharam a importância das experiências ocorridas na América Latina e em África. As várias visões desde a economia feminista, a sua evolução histórica e relevância para o estudo das Outras Economias foram trazidas pela sessão de Lina Coelho (FEUC) e Luciane Lucas dos Santos (CES). Na sessão conduzida por Sílvia Ferreira (FEUC) e Lars Hulgard (University of Roskilde, Dinamarca) foi discutida a importância do papel das políticas públicas e do Estado de Bem Estar numa sociedade democrática, livre e igualitária e no perigo sempre iminente de se considerar a Economia Solidária como um meio para resolver as falhas do Estado.
A participação nesta Escola trouxe várias contribuições para a reflexão interna do CIDAC que caminha para um aprofundamento das suas práticas no quadro da Economia Solidária. 

 

Jovens Embaixadores do Comércio Justo em visita de estudo no Peru

Julho, 8-22, 2017. Seis representantes do grupo dos Jovens Embaixadores do Comércio Justo da Escola Secundária José Gomes Ferreira juntaram-se aos seus pares franceses numa viagem de estudo ao Peru, para conhecer organizações de produtores e produtoras associadas ao Comércio Justo.
Foram propostos dois percursos: um centrado na questão da produção do café, com o apoio da cooperativa CECOVASA (Cooperativas Agrárias Cafetaleras Valles de Sandia), durante o qual os jovens puderam viver numa das zonas de produção e conviver com os produtores de café e com os jovens de vários colégios da zona; e outro centrado na produção de artesanato, com o apoio de várias cooperativas ligadas ao CIAP (Central Interregional de Artesanos del Peru) em que os jovens descobriram e participaram na produção de peças de cerâmica ou de lã de alpaca. A partir de setembro, o seu papel será o de analisar, testemunhar, partilhar e difundir as aprendizagens adquiridas durante esta viagem junto das suas respetivas comunidades escolares.
 
Jovens Embaixadores do Comércio Justo, reunião transnacional em Lisboa

Junho, 14-15, 2017. O CIDAC e a Escola Secundária José Gomes Ferreira acolheram os parceiros franceses (Liceu Bel-Orme e Federação Artisans du Monde) e belgas (Liceu Saint Roque e Oxfam Magasins du Monde) do projeto Jovens Embaixadores do Comércio Justo, uma iniciativa que permitiu criar núcleos de jovens que dinamizam atividades de sensibilização e de comercialização de produtos de Comércio Justo nos seus estabelecimentos escolares.
Esta reunião transnacional teve como objetivo principal a preparação de uma viagem de estudo no Peru, a realizar no mês de julho, e durante a qual alguns jovens poderão descobrir as realidades em que vivem as organizações de produtores ligadas ao Comércio Justo, nos domínios da produção de café e de artesanato.

Timor Leste: uma reflexão sobre sociedade civil

Maio, 29-30, 2017. A Plataforma Internacional de Juristas por Timor Leste – IPJET, assinalou em  Lisboa os seus 25 anos de atividade, com a realização de uma conferência internacional em que se discutiram de forma interligada diferentes casos de violação do direito à autodeterminação, nomeadamente o caso histórico de Timor Leste e as situações atuais do Sahara Ocidental e da Papua Ocidental.
O CIDAC teve oportunidade de participar neste encontro partilhando a sua reflexão sobre os desafios com que se confronta atualmente a sociedade civil timorense, procurando enquadrá-la numa reflexão mais ampla mas reconhecendo os elementos que resultam do contexto particular de Timor.
Partindo do geral para o particular, falou-se da necessidade de clarificar definições num quadro de enorme diversidade que hoje caracteriza as organizações da sociedade civil (OSC), do debate que questiona a legitimidade das ONG em contraste com a ação de movimentos sociais, e do crescimento acelerado deste setor em Timor Leste, sob fortes pressões internacionais, inclusivamente pela disponibilidade de fundos exclusivamente utilizáveis por OSC. Falou-se do crescente fosso entre organizações “prestadoras de serviços” e organizações apostadas na “transformação social”, das tensões entre as “que fazem” ou as que “só falam” e das relações entre organizações locais e internacionais. Do particular para o geral abordaram-se as fragilidades da profissionalização que tem vindo a ser promovida, da lógica de projeto instalada e da sub-contratação de ONG locais pelas ONG do Norte debaixo do grande chapéu das “parcerias”.
Por último, passámos pelo tema da Auditoria Social, questionando os impactos que poderão decorrer deste grande programa (que tem o empenho do Gabinete do Primeiro Ministro e ao qual se associaram já 3 grandes projetos internacionais) na formatação da sociedade civil timorense numa lógica que privilegia em absoluto a função de fiscalização da execução governamental de políticas públicas por parte das OSC.

Encontro Mulheres + em Cantchungo

Maio, 26 - junho, 7, 2017.
O CIDAC esteve na Guiné-Bissau para dinamizar um encontro com as mulheres associadas ao projeto Mulheres +, uma iniciativa realizada em parceria com a ONG guineense Cabaz di Tera. Mais...
Realizado em Cantchungo, na sede da ONG Coajoq, membro da rede Cabaz di Tera, este encontro de 2 dias (5 e 6 de junho) reuniu 8 mulheres representantes das organizações Sitna Bissif (Cacheu), AMPN (Bafata), CNPC (Bôr), Djaguimobilar (São Domingos) e Costureiras de São Paulo (Bissau). A reflexão coletiva focou-se na temática da organização solidária da produção têxtil entre grupos de produtoras, nomeadamente no que diz respeito à compra coletiva de matéria prima.


Do Prato para o Campo

Maio, 20, 2017. O CIDAC e as produtoras dos cabazes PROVE, Judite e Justina Silva, organizaram uma visita às suas explorações agrícolas, em Brejos do Assa, Palmela, para celebrar os 5 anos da existência do núcleo de Picoas. O objetivo desta atividade era proporcionar aos clientes dos cabazes PROVE a possibilidade de conhecer a origem dos produtos que semanal ou quinzenalmente levam para suas casas e de aproximar os consumidores e as produtoras, estimulando as relações interpessoais de todos os intervenientes.
À chegada, um grande lanche, preparado amavelmente pela Judite e pela Justina, esperava o grupo. Seguiu-se a visita à horta, na qual os participantes colocaram diversas questões sobre a forma de cultivo, o sistema de rega, os tempos de colheita e outros assuntos relacionados com a forma de produzir. De seguida, o grupo foi visitar a área de produção dos morangos e todos tiveram a oportunidade de apanha-los e saboreá-los, incluindo as muitas crianças que participaram da iniciativa.
Já antes da partida, regressámos ao armazém e proporcionou-se um ótimo momento de convívio e de partilha de experiências. No entretanto foram distribuídos os cabazes PROVE da semana.
Os cabazes são distribuídos todas as semanas na Loja de Comércio Justo do CIDAC, às sextas-feiras das 17:00 às 19:00 e aos sábados, das 10.00 às 14:00. Inscrições em www.prove.com.pt (Núcleo Picoas).


Oficina com Eduardo Gudynas

Maio, 19, 2017. Numa iniciativa conjunta, a Oficina de Ecologia e Sociedade/CES, o CIDAC e o CESA/ISEG deram seguimento a uma disponibilidade manifestada pelo sociólogo uruguaio Eduardo Gudynas e organizaram no CIDAC uma oficina de 6 horas sobre “Desenvolvimento: ideias, crítica e alternativas”.
Eduardo Gudynas é diretor do CLAES – Centro Latino Americano de Ecologia Social, Montevideu, Uruguai. Nesta oficina ele abordou o conceito de “desenvolvimento”, a sua história, os principais autores e ideias centrais que elaboraram, incluindo as críticas ecológica e “dependentista” e alternativas ao desenvolvimento, em particular na América Latina. No decurso da oficina deu destaque à questão do extrativismo, tanto no passado como no presente.

Dia Mundial do Comércio Justo

Maio, 13, 2017. O Dia Mundial do Comércio Justo, assinalado anualmente no segundo sábado de maio, foi celebrado na Loja de Comércio Justo do CIDAC. Este ano as comemorações tiveram lugar a 13 de maio e contaram com uma prova de alguns produtos da Loja e com uma dinamização realizada durante o período da manhã pela estagiária de Animação Socioeducativa Ana Teresa Santos.
A estagiária elaborou uma roleta com informação sobre alguns produtos da Loja, convidando os clientes a rodá-la; consoante o resultado da jogada, recebiam uma receita justa e saborosa que incluísse o produto destacado. Todas as atividades tinham o objetivo de sensibilizar os e as consumidores/as para o Comércio Justo, dando a conhecer alguns dos seus produtos e produtores/as.
A Arroios TV, pertencente à Junta de Freguesia, fez-nos companhia durante este dia e realizou uma pequena reportagem alusiva.
No dia 12 de maio, e à semelhança do ano passado, o Hotel Neya (site) fez questão de assinalar o Dia Mundial do Comércio Justo e organizou com o CIDAC uma banca de Comércio Justo para os seus clientes. Este ano a grande novidade foi a ementa do almoço servida no restaurante do Hotel que continha alguns ingredientes de Comércio Justo.
Intercâmbio europeu com alunos/as JACE

Maio, 9, 2017. O CIDAC foi convidado a dinamizar duas sessões de sensibilização sobre Comércio Justo para jovens oriundos de três escolas europeias que estavam reunidos em Lisboa para uma atividade de intercâmbio e mobilidade.
Cada uma das sessões estava dividida em duas partes, sendo a primeira uma introdução ao Comércio Justo (princípios e objetivos) e a segunda a partilha da experiência do projeto Jovens Embaixadores do Comércio Justo, contando com a presença de dois alunos da Escola Secundária José Gomes Ferreira.
Neste intercâmbio participaram 16 estudantes e três docentes de uma escola portuguesa (do Agrupamento de Escolas Marinhas do Sal, em Rio Maior), de uma escola sueca e de uma escola polaca.

12º Encontro de trabalho da Rede ECG

Abril, 22, 2017. A Rede de Educação para a Cidadania Global, da qual o CIDAC faz parte, reuniu em Águeda, que ficámos a conhecer um pouco melhor. A primeira parte do dia foi dedicada a partilhar atividades e informações importantes para a Rede e a refletir sobre o nosso trabalho em rede. À tarde centrámo-nos na preparação do XII Encontro nacional de ECG.
O XII Encontro nacional de ECG já tem data e local confirmados – 8 de julho, na Escola Superior de Educação de Lisboa, como nos dois últimos anos. Partimos bastante pedra sobre os conteúdos e as metodologias, um pouco menos sobre as questões logísticas, que estão mais oleadas, a partir das experiências anteriores. No final de maio começaremos a fazer a divulgação do Encontro.
Este foi o 3º Encontro de trabalho realizado neste ano letivo, antecedendo a organização do XII Encontro nacional de ECG. Pode saber mais no sítio da Rede ECG.
 
Comércio Justo nas Escolas

Março, 23, 2017. Dando continuidade ao trabalho de sensibilização para o Comércio Justo que o CIDAC tem vindo a realizar com as escolas um pouco por todo o país, rumámos com destino ao concelho da Moita.  Desta vez o convite não surgiu da parte de um professor ou professora como tem sido ao longo dos últimos anos.
A iniciativa partiu da aluna Sara Henriques, finalista da Escola Secundária da Moita que se encontra a realizar o seu projeto de Prova Aptidão Profissional do Curso Técnico de Comércio e, neste âmbito, organizou com o CIDAC três atividades para a comunidade escolar: uma sessão de  sensibilização para 2 turmas onde participaram 22 alunos e alunas e 3 professores/as; a  dinamização da exposição "O comércio pode ser justo!" e uma banca de produtos de Comércio Justo.

I Encontro Sinergias ED

Fevereiro, 9, 2017. Decorreu em Lisboa o I Encontro entre Instituições do Ensino Superior (IES) e Organizações da Sociedade Civil (OSC) da 2a edição do projeto Sinergias ED, do qual o CIDAC é parceiro juntamente com o Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto (CEAUP) e a Fundação Gonçalo da Silveira (FGS). Este projeto é cofinanciado pelo Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, com apoio da Fundação Calouste Gulbenkian e da Reitoria da Universidade do Porto.
O Encontro visou dar a conhecer aos 43 participantes, em representação de 16 IES e 12 OSC, a nova proposta de trabalho do Sinergias ED para os próximos 2 anos e fomentar o conhecimento entre pessoas e instituição, permitindo uma reflexão sobre potenciais colaborações entre OSC e IES.
O CIDAC associou-se a duas iniciativas de colaboração, uma com as ESE de Lisboa e de Bragança que permitirá aprofundar o trabalho de integração da ED na formação dos estudantes, e outra com a ESE de Coimbra que se propõe produzir reflexões sobre as interligações entre a ED, a animação sócio-educativa e a economia solidária, enquadrando nesta perspetiva uma estagiária em fase de conclusão do curso.

Conferência “Acima da Média”

Janeiro, 24, 2017. O CIDAC e a Par – Respostas Sociais organizaram esta conferência de encerramento do projeto “Acima da Media” (jan 2015 – fev 2017) que visou capacitar Associações Juvenis para trabalharem com os jovens sobre a temática da desconstrução e análise crítica dos media e sua  relação com cidadania.
Nesta conferência pública tivemos a possibilidade de fazer uma resenha do que foi o processo deste projeto, a sua lógica, as suas dificuldades, condicionantes, aprendizagens. Desde o motivar associações interessadas em trabalhar esta temática, formar animadores dessas associações, desafiar desafiá-las a desenvolver as suas ações de sensibilização sobre o tema com jovens e assim calçarem “os sapatos de formadores”, concebendo e aplicando em cursos regionais o apreendido até à conceção por parte do CIDAC e da Par de recursos documentais para apoiar estas associações neste trabalho.
Tivemos também a oportunidade de ouvir e debater com representantes de algumas das associações juvenis participantes no projeto a sua experiência no “Acima da Media”, o que significou para a sua associação trabalhar esta temática, as dificuldades que tiveram nos seus contextos concretos e as perspetivas de poder continuar a fazê-lo.
Aproveitámos também para apresentar em Lisboa a publicação "Literacia para os Média e Cidadania Global: Caixa de Ferramentas" editada durante o “Acima da Media”, concebida como um guia para formadores e como um recurso de apoio a associações e animadores que queiram trabalhar esta temática. A apresentação foi feita pela cooperativa 4Change, que participou em vários dos momentos do “Acima da Media” e elaborou a publicação.
A conferência terminou com um debate sobre os vários media que teve como oradora Sandra Monteiro editora do Jornal Le Monde Diplomatique  Edição Portuguesa. 

Apresentação da publicação "Literacia para os Média e Cidadania Global"

Janeiro 9 - fevereiro, 02, 2017. O CIDAC e a Par - Respostas Sociais editaram a publicação "Literacia para os Média e Cidadania Global: Caixa de Ferramentas" fruto do projeto Acima da Media, que visa capacitar Associações Juvenis para trabalharem a Desconstrução e capacidade de análise crítica dos media com os seus públicos.
As sessões de apresentação e divulgação desta publicação levaram-nos a Coimbra, Porto, Covilhã, Évora e Faro. Foram realizadas nas sedes de várias das organizações participantes neste projeto e foram abertas a outras associações Juvenis, de Desenvolvimento Local, animadores e professores.
Para além da apresentação da publicação tivemos a oportunidade de debater vários temas com os participantes, a ética e o estado atual dos media, o consumo de informação em novos meios como redes sociais e os seus perigos, a construção e veicular de estereótipos através dos chamados media, a importância de ter uma postura de análise crítica perante as notícias que recebemos diariamente, como este publicação pode ser utilizadas em diferentes contextos com jovens.
Esta publicação tem como objetivo ser um recurso no reforço para as associações que participaram neste projeto e não, só que querem continuar a desenvolver um trabalho de análise e desconstrução dos media com públicos jovens.

Colaboração com a ESE de Lisboa

Janeiro, 3 e 10, 2017. Dando continuidade a uma colaboração que se iniciou há 5 anos, o CIDAC, assim como outras três ONGD (AidGlobal, Fundação Gonçalo da Silveira e PAR-Respostas Sociais), deram o seu contributo para a realização da Unidade Curricular eletiva de Educação para a Cidadania Global, que contou com mais de uma dezena de alunos/as da licenciatura de Educação Básica.
Nos dias aqui assinalados tiveram lugar, respetivamente, a partilha dos resultados das visitas feitas às 4 organizações em novembro/dezembro e a avaliação, feita pelos/as alunos/as, da frequência desta disciplina. O CIDAC, que antes tinha também recebido os e as estudantes para uma sessão específica sobre Comércio Justo, esteve presente em ambos os momentos, tendo constatado, uma vez mais, a importância para estes jovens desta experiência. Uma aluna exprimiu isso mesmo dizendo: esta unidade curricular devia ser obrigatória e não opcional, é tão importante como um kit de primeiro socorro...

Intercâmbio com o Chile na área da ED

Março, 28-30, 2017. Ao abrigo do Programa Iberoamericano para Fortalecimento da Cooperação Sul-Sul, Portugal foi solicitado pela Agência Chilena de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento para partilhar a sua experiência na área da ED, em particular no que diz respeito à Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (ENED). Uma delegação juntando um representante do Camões - Instituto da Cooperação e da Língua e um membro da equipa do CIDAC, que acompanharam o processo da ENED desde o seu início, em 2008, teve uma intensa agenda de contactos e discussões durante três dias, em Santiago do Chile.
No quadro da política de Cooperação Internacional do Chile para o Desenvolvimento, 25 anos depois do seu início, foi reelaborada a respetiva visão e os seus fundamentos até 2030 e definida uma Estratégia de Cooperação para 2015-2018. Nesta, o Objetivo Estratégico nº 3, “Consolidar o sistema nacional de cooperação internacional para o desenvolvimento”, inclui a necessidade do “fortalecimento da AGCID, enquanto instituição para o desenvolvimento”, a qual aponta no seu ponto 4 para a importância da “Educação para o Desenvolvimento e a sensibilização da sociedade chilena”.
Ao querer iniciar o seu próprio processo de construção de uma Estratégia nacional de ED, em conjunto com outros atores, a AGCID e o respetivo Conselho da Sociedade Civil organizaram um programa de intercâmbio com Portugal assente em dois momentos principais: uma oficina com organizações da sociedade civil e, antes e depois, um conjunto de reuniões com as e os responsáveis de vários departamentos da Agência para aprofundamento do que é e de como pode ser posta em prática a ED. Note-se que, por lei, todos os ministérios têm de criar um Conselho da Sociedade Civil, de natureza consultiva. No caso da política externa, o MNE e a AGCID criaram Conselhos específicos.
A partilha de experiências e visões foi muito interessante e merece uma continuidade. Para já, a troca de informação e o acompanhamento a distância da evolução do que se vai fazendo nos dois países neste domínio ficou acordada.